EXIGÊNCIAS DO MERCADO EM RELAÇÃO AO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA E À NECESSIDADE DE POSSUIR UM BOM TEXTO



Por favor, leia com bastante atenção o que tem sido publicado na imprensa* a respeito de como se comporta o mercado em relação à exigência do domínio da língua portuguesa e à necessidade de possuir um bom texto.
*Não me responsabilizo por erros e problemas nos textos extraídos de fontes externas (identificados por estarem entre aspas), pois não foram redigidos por mim.


“... Há 650 mil empregos oficiais no País e sempre que há vagas a imensa maioria de candidatos concorre sem o devido preparo. Segundo os especialistas, o que mais elimina concorrentes são os erros de português...”
O Estado de S. Paulo, 8/6/2003


“Competências que o mercado requer:
• Ser bicultural
• Dominar o idioma português...”
O Estado de S. Paulo, 24/8/2003


“... O bom português, que antes era uma obrigação, hoje é visto até como um diferencial curricular”, avalia Carlos Henrique Mencaci, diretor administrativo do Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios)...”
Folha de S. Paulo, 15/12/2002


“... Na base de tudo, está a linguagem. Sem dominá-la, fica difícil aprender outras coisas”, completa Frederico Eigenheer, consultor da Eigenheer Recursos Humanos.
Por isso, diz ele, as empresas procuram profissionais que se expressam claramente – é sinal de que aprenderão novos ofícios com relativa facilidade...”
Folha de S. Paulo, 15/12/2002


“Usar gírias e cometer erros de concordância são dois fatores que podem eliminar o candidato em um processo seletivo, de acordo com pesquisa realizada pelo Centro de Integração Empresa–Escola (CIEE) com empresas parceiras na promoção de estágios... Já entre as habilidades e competências que contam pontos e são valorizadas pelos recrutadores, está a boa comunicação verbal.
A pouca familiaridade com a leitura e a escrita certamente é uma das origens da dificuldade dos jovens em expressar-se verbalmente.”
O Estado de S. Paulo, 6/2/2005


“ÉPOCA – Por que é tão importante selecionar alunos que escrevam bem?
Maria Thereza F. Rocco (vice-diretora-executiva da Fuvest – instituição que organiza o maior vestibular do Brasil –, professora de pós-graduação da Faculdade de Educação da USP e que, há mais de 20 anos, dedica-se à análise de redações de vestibular)
– Quem é capaz de produzir um bom texto demonstra operações mentais sofisticadas. Quando o candidato estabelece relações e utiliza um vocabulário próprio, revela maturidade para a vida, para as outras disciplinas e para o crescimento como cidadão. Nos anos 80, os estudantes que chegavam à universidade tinham grande dificuldade de escrever porque os vestibulares haviam abolido a redação. Os textos continham barbaridades e acreditava-se que os alunos não tinham condições de pensar. Não era nada disso. Eles pensavam e falavam muito bem, mas não dominavam o texto. Uma exigência feita no vestibular indica a necessidade de mudanças no ensino fundamental e no médio. Por isso, é tão importante atribuir um peso elevado à redação. O domínio da escrita eficiente é condição para a cidadania. A exigência da redação nos grandes exames é a salvação do Brasil.”
Época, edição 225, 9/9/2002


“ERROS DE PORTUGUÊS PODEM CUSTAR UMA VAGA NO MERCADO

Cristina Balerini

Quantas línguas você fala? Essa é, invariavelmente, a pergunta que todo selecionador faz em uma entrevista de emprego. O domínio do inglês, e também do espanhol, já é exigido para praticamente todos os cargos. Em algumas empresas, há casos em que se pede outros idiomas, como alemão, francês e até japonês. Você certamente já passou por uma situação dessas – ou vai passar.
Mas antes de sair em busca de um curso intensivo de idiomas para garantir uma vaga no mercado de trabalho, certifique-se de que você tem pleno domínio de um dos idiomas mais importantes – a sua língua, o português.

O português é uma língua difícil, sim, mas não impossível de ser dominada. Uma simples carta de apresentação pode conter erros que minarão qualquer chance de conquistar a tão sonhada vaga. Acredite: o fraco domínio da língua é o principal fator de eliminação de candidatos, dizem os selecionadores. “Ninguém gosta de contratar um profissional que não fale ou escreva corretamente. O mercado está mais tolerante, mas dependendo da posição, erros são inaceitáveis – o profissional é um representante da empresa”, avalia a consultora e vice-presidente do Grupo Catho, Inês Perna.”

“(...) Embora apareçam mais freqüentemente entre os jovens, principalmente depois da chegada da Internet e da comunicação via e-mail, vícios de linguagem e erros gramaticais não são prioridade deles. Profissionais que ocupam cargos no alto escalão também costumam errar. O preenchimento de relatórios, por exemplo, é propício para todo tipo de erro. “Antigamente, quando cada diretor ou gerente contava com uma secretária, a falta de domínio da língua portuguesa não era tão levada em conta, afinal, quem precisava escrever corretamente era a secretária. Hoje isso mudou. Diretores, gerentes e supervisores dividem a mesma assistente, e começaram a colocar a mão na massa na hora de enviar relatórios, preparar documentos e enviar e-mails”, comenta Carla Zindel, diretora de uma escola de idiomas.


Cresce a procura pelos cursos de português

Os deslizes com o idioma materno aparecem freqüentemente durante ligações telefônicas, reuniões formais com os clientes e entrevistas para um novo emprego. “O português é um idioma complexo, a norma culta é bastante diferente da língua normalmente falada e a falta de domínio do idioma pode comprometer a imagem profissional, colocando em dúvida a qualidade do trabalho”, diz Carla. Para ela, a imagem projetada pelos funcionários é a realidade corporativa percebida por clientes e concorrentes. “Nesse contexto, falar corretamente é imprescindível para o sucesso de uma organização, e os empregadores valorizam cada vez mais os funcionários que sabem se expressar com fluência”, complementa.


(... ) Má comunicação

Segundo Carla, é na hora de redigir os textos – desde um formulário técnico a um e-mail –, que os empresários percebem que o português está fazendo falta. “Existe muita dificuldade na sintetização das informações. Na comunicação escrita é mais difícil perceber erros do que quando se está falando. É na hora de falar que surgem as dúvidas, que podem comprometer seriamente o profissional em uma entrevista de emprego”.

... “Erros comuns, que à primeira vista podem parecer banais, como “fazem dez anos”, em vez de “faz dez anos”, podem comprometer a credibilidade do profissional e da empresa. “Por isso, o redator de documentos empresariais deve ler boa literatura, revistas especializadas e textos variados a fim de aprimorar a produção escrita”, opina a professora de português Laurinda Grion.”
Newsletter Carreira & Sucesso – Catho online – Edição número 218 (levada ao ar no dia 26 de fevereiro de 2004 e enviada para 3.138.388 leitores)


“Português é a maior falha de candidatos a uma vaga
da Folha de S.Paulo

Erros graves de português, como "seguimento", "treis" e "aprimorização"; falta de objetivo profissional -- ou uma profusão deles --; formação acadêmica em instituição "misteriosa" e em período desconhecido.

Esses são apenas alguns dos principais erros cometidos por candidatos a uma vaga de trabalho naquele que deve ser seu principal cartão de visitas: o currículo.
A constatação resulta de um levantamento realizado pela Folha, que analisou 331 currículos recebidos durante o ano de 2005 pelo caderno Empregos. Os dados foram enviados para a seção "Consultoria", em que o leitor solicita a análise do documento, feita por diversos especialistas em seleção no mercado de trabalho.

Em mais de 58% da amostra havia erros de português -- a maioria, de acentuação, sobretudo de crase –, 41% não apresentavam dados completos da formação acadêmica e um terço apresentou falhas na formatação, como excesso de negrito ou itálico, o que dificulta a leitura do documento. (...)”
Folha de S. Paulo, Classificados online, 26/12/2005


De acordo com conceituados especialistas, como Aylza Munhoz – coordenadora nacional de pós-graduação da Escola Superior de Propaganda e Marketing – e Paulo Eduardo Di Pietro Niccoli – consultor do Sebrae São Paulo –, ERROS DE PORTUGUÊS EM ANÚNCIOS COMPROMETEM A CREDIBILIDADE DAS EMPRESAS PERANTE O MERCADO.
Essa análise também vale para profissionais liberais e de comunicação e empresas, que necessitam enviar propostas para clientes, apresentar-se em seminários e congressos, dirigir reuniões, elaborar relatórios, etc.


A seguir, apresento os cursos que ministro e os serviços que executamos na área de textos em língua portuguesa. Cada um deles é direcionado para sua necessidade específica.
Não se esqueça: na atual conjuntura, em que existe uma enorme concorrência, credibilidade é um diferencial fundamental para o sucesso!

Existem inúmeros cursos e prestadores de serviços no setor em que atuamos. MODÉSTIA À PARTE, NÓS SOMOS OS MELHORES E TEMOS COMO PROVAR ISSO COM DOCUMENTOS!

Por gentileza, navegue atentamente por todos links do site.


AULAS DE PORTUGUÊS E/OU DE REDAÇÃO PARA TODAS AS FINALIDADES

    Para profissionais liberais (advogados, médicos, dentistas, engenheiros, economistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, etc.);
    Para executivos (diretores, dirigentes, gerentes, secretárias, empresários, etc.), políticos;
    Para profissionais de comunicação (jornalistas, publicitários, radialistas, etc.) e professores.

    Propostas com precisão e qualidade propiciam aos clientes uma confiança maior, visto que um texto claro e correto oferece maior segurança. Você compraria um medicamento no qual estivesse escrita a palavra analgézico? Ou ficaria desconfiado de que o produto não foi fabricado com qualidade, já que nem a linguagem foi usada de modo correto? O mercado vê isso como diferencial. Afinal de contas, pense comigo: se a empresa não consegue escrever um texto de forma correta – que é uma coisa relativamente simples –, certamente não consegue fabricar um produto de qualidade, tarefa bem mais complexa porque envolve inúmeros outros aspectos.
    Um advogado pode ganhar uma causa – como já ocorreu em inúmeras ocasiões – porque provou que no contrato estava escrito diferente do que realmente se queria dizer.
    Para concorrer a vagas no mercado de trabalho, é essencial que se tenha redação própria de qualidade e facilidade de comunicação – é só verificar os anúncios solicitando secretárias. Enfim, é cada vez mais comum empregadores exigirem o domínio da língua portuguesa.

    Para estudantes de todos os graus;
    Para concursos (inclusive exame da OAB) e vestibulares (português e redação) – sou especialista em concursos –, e para alunos que precisam de reforço.

    Graças à minha grande experiência como professor, sei exatamente o que é mais exigido em concursos e em que os alunos possuem mais dificuldades. Você sabia que existem erros de português até no enunciado das questões dos concursos?

    Para pessoas que querem apenas escrever e se expressar melhor;
    Aperfeiçoamento para estrangeiros.

     

REVISÃO, CRIAÇÃO, ADEQUAÇÃO E SUGESTÃO DE TODOS OS TIPOS DE TEXTOS (ANÚNCIOS, MATÉRIAS, TESES, LIVROS, CARTAS, MANUAIS TÉCNICOS, ETC.)


ASSESSORIA EM LÍNGUA PORTUGUESA

    Para empresários, executivos, secretárias executivas, gerentes, diretores, supervisores;
    Profissionais de comunicação (jornalistas, publicitários);
    Profissionais liberais (advogados, engenheiros, economistas, administradores, médicos, dentistas, etc.), artistas, empreendedores;
    Empresas de comunicação (jornais, revistas, publicações, TVs, rádios, cinema, audiovisuais, gravadoras);
    Empresas que elaboram sites;
    Editoras;
    Escritórios de advocacia, arquitetura, engenharia, construtoras, montadoras de automóveis, empresas de eletroeletrônicos;
    Empresas e agências de RH – treinamento e qualificação para quem as procura;
    Colégios, universidades e instituições de ensino;
    Agências de publicidade, jornalismo e de notícias;
    Políticos;
    Entrevista para empregos.


TREINAMENTO DE PROFISSIONAIS PARA RECOLOCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO (CONVÊNIO COM AGÊNCIAS DE RH) E TREINAMENTO DE PROFISSIONAIS PARA AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE E EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO


LETRAS DE MÚSICAS, PARÓDIAS E DE JINGLES


PALESTRAS SOBRE COMO OBTER ÊXITO EM CONCURSOS PÚBLICOS E VESTIBULARES


DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS NA ÁREA DE COMUNICAÇÃO


LIVROS, REVISTAS, JORNAIS, BIOGRAFIAS, HISTÓRIAS DE EMPRESAS E DE INSTITUIÇÕES, EDIÇÕES COMEMORATIVAS, INFORMATIVOS, ETC.